Post Reply Homossexualismo na Disney?
Redator de Notícias
16123 cr points
Send Message: Send PM GB Post
42 / M
Offline
Posted 3/11/14 , edited 3/11/14
Sei que o título é um pouco estranho em um fórum que aborda animes, mas deixe-me primeiro dissertar sobre ele.

Dias desses li em um fórum que uma pessoa que assistiu o desenho da Disney Frozen fez comparativos da passagem de libertação da personagem Elza com o homossexualismo. Assim como os homossexuais ela tinha medo que as pessoas soubessem a verdade sobre ela (e seus poderes), tentou se forçar a ser algo diferente para agradar a maioria, se sentiu livre quando essas mesmas pessoas descobriram a verdade e, no final, foi a família (no caso em si, os pais e depois a personagem Anna, sua irmã) quem primeiro a aceitou e foi atrás dela.

Teorias conspiratórias à parte, isso mostra como os americanos são recalcados quando o assunto é sexualidade nas animações. Como o público alvo são as crianças, qualquer coisa que fuja das normas da moral e dos bons costumes é vista com polêmica para eles.

Politicamente corretos? Para mim, os japoneses são muito mais politicamente corretos, em abordar sexualidade de uma forma tão digna e brilhante, que nos faz querer que aquele casal do mesmo sexo termine junto no final (Sakura Trick, estou falando de você). E isso sem ofender ou agredir a orientação sexual de quem quer que seja. Nós, fãs de animes, já estamos acostumados a ver gays, lésbicas e andrógenos e já nem ligamos para isso (adoro lésbicas japonesas em animes, elas são engraçadíssimas).

Fãs de yuri, yaoi (hum, SQN) e outras vertendes, podem se sentir orgulhosos de si mesmos. Em matéria de aceitação sexual, vocês estão 100 anos à frente dos americanos. E deixem eles com suas morais e bons costumes, e enquanto isso vamos assistindo nossos animes em paz...

26223 cr points
Send Message: Send PM GB Post
23 / M
Offline
Posted 3/12/14
Concordo que é mais comum ver homossexualidade em animes do que em animações ocidentais, (por exemplo Card Captors Sakura, onde você tem quase todo tipo de relacionamento), mas acho que o maior motivo é puro fanservice, dificilmente você vê o tema sendo tratado de uma forma mais séria.

Por outro lado, acho que os fãs de anime, pelo menos no Brasil, não estão tão acostumados assim com o tema. Lembro de ver muita gente reclamando quando teve um episódio mais shounen-ai em Death Note e aqui no fórum do Crunchyroll mesmo tinha um post com comentários sobre Shin Sekai Yori ser um anime gay. Também vejo muita gente fazendo confusão entre shounen-ai, yaoi, shoujo-ai e yuri, acho que isso atrapalha um pouco também.

Acho que o que temos mesmo é muita gente que gosta de ver yuri ou shoujo-ai mas fica todo nervosinho quando colocam shounen-ai no seu anime preferido. Infelizmente, isso é cultural e acho que não vai mudar tão cedo, mas se não só animes, mas como outras mídias tratarem o tema com mais seriedade isso deve mudar com o tempo.
Manjador de Licenciamento
26391 cr points
Send Message: Send PM GB Post
21 / M / Brasil
Offline
Posted 3/12/14 , edited 3/12/14
Não vou discutir do tema.... Mas pqp a pessoa que fez essa comparação com Frozen. Essa pessoa tem problemas sérios de tédio e devia procurar algo pra fazer da vida, até doi ler uma coisa destas kkkkkkkk.
Redator de Notícias
16123 cr points
Send Message: Send PM GB Post
42 / M
Offline
Posted 3/12/14 , edited 3/12/14
Esse post foi mais para discutir a diferença entre o jeito que americanos e japoneses abordam o assunto. Fan-service ou não, insinuado ou escancarado, pelo menos aparece nos animes, coisa que nem raspa nos desenhos americanos. Para os japoneses, há uma descoberta da sexualidade do adolescente, por isso o assunto é até tolerado até ele atingir a fase adulta, quando então sua orientação sexual é definida. Já para os ocidentais, a questão cultural é muito arraigada.

O fato de ver gente reclamando quando o seu anime favorito abordar, mesmo que de leve, esse tema, não deveria se levar tão a sério. Só mostra o quanto ainda somos preconceituosos. E a culpa disso é dos próprios homossexuais, que por causa de uma minoria que insiste em ter uma vida promíscua, criam a generalização para todos.

Assistam o seu anime preferido de cabeça aberta a novidades. Desde que o assunto seja abordado com respeito, não vejo nada de mais. Ter uma mentalidade retrógrada não leva a nada.
melbor 
14072 cr points
Send Message: Send PM GB Post
26
Offline
Posted 3/15/14
é difícil ver um filme da Disney sem conotações homossexuais, nos animes pelo menos não tem essa ''frescura'' de colocar tudo subliminalmente...
Contribuinte de Notícias
22338 cr points
Send Message: Send PM GB Post
30 / M / Recife
Offline
Posted 3/15/14

Politicamente corretos? Para mim, os japoneses são muito mais politicamente corretos, em abordar sexualidade de uma forma tão digna e brilhante, que nos faz querer que aquele casal do mesmo sexo termine junto no final (Sakura Trick, estou falando de você). E isso sem ofender ou agredir a orientação sexual de quem quer que seja. Nós, fãs de animes, já estamos acostumados a ver gays, lésbicas e andrógenos e já nem ligamos para isso (adoro lésbicas japonesas em animes, elas são engraçadíssimas).


Eu diria que é o oposto: os japoneses são menos politicamente corretos na hora de abordar a sexualidade nos desenhos. Na verdade isso tem haver com a maneira que eles encaram os desenhos.

Sexualidade é um tema que tem que ser tratado com maturidade, e para os americanos, desenhos não são um bom meio para se abordar temas delicados de maneira madura e séria (há algumas exceções, como a série Avatar, por exemplo). Para os americanos, o tipo de obra mais apropriado para lidar com temas mais maduros (de maneira bem politicamente incorreta em muitos casos) são filmes e séries de TV.

Isso não quer dizer que, em termos de produção criativa, os americanos sejam inferiores aos japoneses (ou vice-versa), mesmo porque eles não são. O que acontece é que ambos os povos usam meios diferentes para abordar os mesmos temas.

Redator de Notícias
16123 cr points
Send Message: Send PM GB Post
42 / M
Offline
Posted 3/16/14 , edited 3/16/14
Trolloman, repito que esse post é para discutir a forma com que americanos e japoneses abordam o assunto em animações. Em nenhum momento tirei o mérito dos filmes, já que americanos têm know-how para filmes e japoneses o têm para animações. Mas vamos nos centrar em animações e deixar de lado um pouco os filmes (mesmo porque, japoneses são muito canastrões na frente da câmera).

Quando me refiro a politicamente correto, me refiro a usar o meio necessário para abordar o tema sem ser ofensivo ou depreciativo e inclusive nos fazendo envolver com a história. Prova disso é Sakura Trick, aonde estou realmente torcendo para que as duas terminem juntas. Em que desenho americano você vê isso.?

Nos dias de hoje, em que não adianta esconder o assunto para baixo do tapete, o melhor a fazer é expô-lo em doses homeopáticas, de acordo com o público a que se é dirigido. Como nos EUA desenhos são para crianças então seu raciocínio procede. Mas abre brechas para mensagens subliminares mal interpretadas, como o que eu citei no início do post sobre Frozen. Discordo do que o cara disse, mas e se a Disney REALMENTE teve essa intenção? Lembra que em algumas cópias de Bernardo e Bianca aparecia, em uma fração de segundo, a imagem de uma mulher nua? Teorias conspiratórias...

Como ambos dissemos, americanos não vêem animação como forma de abordar temas sexuais. O máximo do erotismo que se via era a Jéssica Rabbit, com o seu figurino de enlouquecer a libido dos homens. Ou o Pernalonga e o Pica-pau se vestindo de mulher. E nem por isso se duvidava da masculinidade deles. Mas era um meio divertido de expor, mesmo que de forma cômica, essa variante.

Discordo de você quando você diz que "Sexualidade é um tema que tem que ser tratado com maturidade". Ele tem que ser tratado de forma respeitosa e didática, isso sim. Caso contrário não seria possível uma aula sobre educação sexual para crianças do fundamental, que não tem maturidade para entender o assunto.

Para não dizer que sou intransigente, podemos até ver o tema abordado em desenhos como Family Guy, American Dad ou mesmo The Simpsons. Mas, confesso, não vejo eles abordarem o assunto com a mesma liberdade que os japoneses. Parece meio grotesco quando eles fazem isso, como se fizessem com uma mão pesada.

Polêmicas à parte, no final fica a frase "Cada macaco no seu galho". Se eu não gosto de animações americanas, tenho as japonesas. Se não gosto de animes, tenho os cartoons.

Mas... que os desenhos americanos dos anos 60 eram BBEEEMMMM menos recalcados do que hoje, você tem que concordar.
23032 cr points
Send Message: Send PM GB Post
Offline
Posted 3/18/14 , edited 3/18/14
Essa comparação da Erza que algumas pessoas gostam de fazer é bem simplória... Posso seguir essa lógica e aplicar pra qualquer situação em que você está escondendo algo... até pra coisas com mais de 10 anos.. Naruto por exemplo, depois que ele descobre que a Kyuubi está dentro dele, ele morria de medo de revelar e não ser mais aceito, assim como foi com o Gaara... só por que ele não saiu cantando uma música chiclete quer dizer que ele também não se libertou e blablabla?

Só acho que a intenção do autor/produtora em Frozen é outra ... muito mais voltado pro amor Fraternal e como as pessoas tem medo daquilo que desconhecem... isso de achar que ele é lésbica é o mesmo pensamento daqueles que gostam de Yaoi Fan service em Saint Seiya, com exceção do Shun, uma pequena parte das fãs criam casais dentro da série a partir de puro amor fraternal, chega ao ponto de existirem "casais formados" até de personagens que nunca se viram...

Fato é: quem gosta de ver homossexualismo em meios de entretenimento sempre vai achar uma ponta solta e explorar aquilo ao máximo.
Portuguese Moderator
28122 cr points
Send Message: Send PM GB Post
30 / M / Pernambuco/Alagoas
Offline
Posted 3/21/14
A noção de sexualismo varia muito de cultura pra cultura.

Como dito pelo TrolloMan, comparar as animações americanas com as japonesas no contexto geral (sem restringi-las por idade/publico) seria uma comparação mal-feita pois deixa-se de considerar que 90% do que é animação produzida lá tem como foco o publico infantil, enquanto a animação japonesa é bem mais diversificada. Na verdade, seria mais justo comparar a animação do Japão com os filmes Holywoodanos do que animação com animação.

Na verdade ao fazer isso eu consigo encontrar uma boa diferença entre eles:

As obras americanas tendem a ser separadas entre gays e não gays. Ou seja, ou elas tendem a serem focadas nisso ou não possuem nenhum.

Já nas japonesas é mais fácil vc encontrar o tema distribuído entre as obras. Não precisa vc procurar muito pra encontrar algum personagem gay ou próximo a isso em diversos títulos de diversos temas e gêneros. Além é claro dos focados nisso.

Outra diferença q eu noto também é que, nos EUA, o homosexualismo é um tema mais adulto, enquanto no japão é mais adolescente.
Isso acontece pq para os americanos há muito preconceito em aceita-lo como uma condição psicológica, fazendo com que seja tratado mais como uma espécie de perversão do que como uma escolha ou condição.
Enquanto que no japão, eles tratam-no mais como uma descoberta de adolescente, algo como se fosse uma fase pela qual o estudantes podem passar antes de se tornarem adultos. A maior prova disso é que muitas histórias colocam os personagens gostando de meninas/meninos do mesmo sexo que admiram durante a fase estudantil, para depois ficarem com outro do sexo oposto na fase adulta.

No fim os 2 tratam o homosexulismo de forma preconceituosa, cada um de sua forma. Nos EUA é feito ao criar a separação entre obras GLS e normais e no Japão é ao colocar o homosexualismo como uma fase adolescente.
Redator de Notícias
16123 cr points
Send Message: Send PM GB Post
42 / M
Offline
Posted 3/22/14 , edited 3/30/14
Concordo plenamente com o que yuriccp disse, questões culturais são realmente polêmicas. Enquanto em alguns países arrotar (urgh!!) é sinal de satisfação, na maioria é visto como falta de educação.

Como a nossa cultura é mais próxima a dos americanos do que dos japoneses temos a tendência de seguir a mentalidade gringa. E, o que não está de acordo com a nossa forma de pensar já pressupomos que seja considerado errado, mesmo que do outro lado do mundo seja mais tolerável.

Deixo aqui uma reportagem escrita hoje (22/03) falando justamente sobre a polêmica que existe nos animes. E olha que são só os animes que passaram na tv brasileira (se citassem outros aí não haveria espaço na matéria)! E, como o jornalista com certeza não é do ramo, sugiro peneirarmos da reportagem somente o que seja útil.

http://jovem.ig.com.br/cultura/seriestv/2014-03-22/ameacas-de-morte-convulsoes-e-pedofilia-conheca-5-polemicas-dos-animes.html

A reportagem aborta não somente a sexualidade presente nos animes, mas outras polêmicas. Fica registrada a curiosidade.

E yuriccp, repito o que eu disse: que os desenhos americanos dos anos 60 eram BBEEEMM menos recalcados do que hoje, temos que admitir (Saudades dos desenhos de Tex Avery, aquele cara sim sabia engajar temas como violência e sexualidade de forma inteligente).

Como eu já disse antes, Family Guy, American Dad e os Simpsons até tentam, mas com a mentalidade dos americanos isso é o máximo que se pode chegar.
Redator de Notícias
16123 cr points
Send Message: Send PM GB Post
42 / M
Offline
Posted 3/30/14 , edited 3/30/14

yuriccp wrote:

Como dito pelo TrolloMan, comparar as animações americanas com as japonesas no contexto geral (sem restringi-las por idade/publico) seria uma comparação mal-feita pois deixa-se de considerar que 90% do que é animação produzida lá tem como foco o publico infantil, enquanto a animação japonesa é bem mais diversificada. Na verdade, seria mais justo comparar a animação do Japão com os filmes Holywoodanos do que animação com animação.



Dias desses, em um blog de animes, vi uma comparação feita entre o anime Sakura Trick e o filme Azul é a Cor Mais Quente (ambos com temáticas lésbicas) que, por si só, me fez repensar esse comentário e discordar dele.

Animes são mais lúdicos e mais irreais, eles rompem com as leis da gravidade e da lógica e enganam o cérebro para que ele acredite que aquilo é possível. Já filmes são mais crus, contrastam mais com a realidade e, mesmo que sejam exagerados, dificilmente fogem às regras de coerência.

Portanto, reforço o que disse acima: estou comparando animações com animações, com contextos de abordagem totalmente diferentes.

Injusta a comparação? Talvez, mas também acho injusto comparar mídias que têm linguagens diferentes e maneiras diferentes de abordar um mesmo tema.
17030 cr points
Send Message: Send PM GB Post
F
Offline
Posted 3/31/14 , edited 3/31/14

A questão em Frozen não tem a ver com a homossexualidade.

Inclusive, é descabido dizer a diferença de abordagem do assunto, pois não tem "este" assunto em Frozen.

Fiz uma série de considerações acerca deste absurdo, que tem a ver com a imbecilidade de moralistas que dizem ler a Bíblia, mas nem entendem o maior ensinamento de Jesus. Por gentileza, leiam e comentem.

http://www.papodebudega.com/2014/03/frozen-disneyfrozen-quando-os.html

Abraços.

Sandra Monte
Contribuinte de Notícias
22338 cr points
Send Message: Send PM GB Post
30 / M / Recife
Offline
Posted 4/2/14 , edited 4/2/14
Bom, eu não vi Frozen (mas pretendo ver em breve), e por isso não vou julgá-lo, mas, até onde eu vi, a história parece ser mais sobre amor fraternal (entre irmãs).

Fora que os desenhos da Disney volta e meia são vítimas de "teorias da conspiração" que não fazem sentido nenhum.


Discordo de você quando você diz que "Sexualidade é um tema que tem que ser tratado com maturidade". Ele tem que ser tratado de forma respeitosa e didática, isso sim. Caso contrário não seria possível uma aula sobre educação sexual para crianças do fundamental, que não tem maturidade para entender o assunto.


Cara, seu comentário corrobora o que eu disse. Abordar com maturidade é justamente fazê-lo de forma respeitosa. Acho que concordamos quanto a isso.

Mas eu acho que a função de uma boa história é, acima de tudo, entreter. Didatismo (caso ele seja incluído) fica em segundo plano, mesmo porque tornar uma história "didática" demais, pode deixar ela bem sem graça. É possível também abordar um tema de forma madura, mas sem ser didático.


Injusta a comparação? Talvez, mas também acho injusto comparar mídias que têm linguagens diferentes e maneiras diferentes de abordar um mesmo tema.


Mas a linguagem nos cartoons é bem diferente dos animes. Principalmente hoje em dia.

E eu concordo também que os cartoons dos anos 60 (a anos anteriores também) eram bem menos "recalcados" nesse sentido, mesmo porque até esse período eles eram considerados entretenimento para toda a família, e não só para crianças.



You must be logged in to post.