Review do Redator: No Game No Life

Emoções magistralmente articuladas que tocam a barreira épica de Gurren Lagann (Contém Spoilers!)

 

Tudo começa dentro de nossas mentes e, depois de sua exteriorização, no caso de NGNL em forma de Light Novel, lembramos daquelas emoções que nos levam a fazer coisas extraordinárias. Talvez seja mero acaso seu nome 榎宮 祐 (Yu Kamiya) ser parecido com o lendário Kamina (Gurren Lagann), seu nome real tampouco se aproxima dele, entretanto, os elementos que podemos facilmente encontrar, nesta história surreal, são demasiadamente parecidos com o familar "não acredite em si mesmo" de Kamina, quando ainda presos em suas cavernas incita Simon a tocar o céu com sua broca perfurante, a desafiar a realidade óbvia para realizar o impossível. 

 

-Escute, Simon.
Não acredite em si mesmo.  

-Acredite em MIM! Acredite no 
Kamina que acredita em você!

 

 

"O mundo é caótico. Irracional. Injusto. Ele não tem objetivo. É o desejo daqueles que sabem isso mas que se recusam a aceitar...Um desejo que o mundo seja pelo menos um pouco interessante...É isso...que é uma lenda urbana". 

NGNL - Episódio 1



 


Perder a noção do tempo ou criar seus próprios parâmetros, "rejeitar a noção óbvia de realidade para atingir o impossível".

Kamina

 

 
 
 

Sabemos que "em toda genialidade há certa dose de loucura" (Tolstói - 1828 à 1910), e que a cada momento provamos, a nós mesmos, de que a loucura é necessária para atingir feitos históricos e avançar em nossa própria evolução. A perda de noção de tempo já foi estudada com cientistas em todo o mundo, isolados em cavernas escuras, incluindo brasileiros. Sem saber os movimentos do Sol e da Lua, perdiam cada vez mais a noção de dia e noite, e suas mentes passaram a criar seus próprios parâmetros, baseadas em suas necessidades fisiológicas como "tempo necessário de sono e descanso" para, assim, estabelecer um "novo relógio natural", com 36 horas de dia e 18 horas de noite - Vivência em Cavernas - André Minassian.

  

 

Imagine o potencial humano concentrado num único ponto? Imagine as possibilidades e a evolução exponencial humana, o futuro como seria? Talvez seja impossível que um único indivíduo possua tal capacidade, fora ser confundido por deus, talvez nenhuma máquina possa se passar por um, afinal a perfeição é um alvo e não algo que deva existir ou ser copiado, pois se a perfeição existisse o alvo de todos seria a imperfeição, afinal, existir não é um conceito que existe sozinho para um ser inteligente, é preciso co-existir para que se possa visualizar um alvo. Talvez seja nesse ponto que "Kuuhaku" foi pensado como sendo uma dupla em que o potencial humano fosse tal que juntos pudessem atingir feitos extraordinários, e como naturalmente não poderiam ser bons em tudo, para não correr o risco de se passarem por deus, seja esse potencial então exprimido na forma de jogo. 

 

-Essa "planície" de vocês
não existe! 

-Esse vilarejo é
tudo o que temos! 

 
 
 
Não há como saber as regras ou o objetivo. Há 7 bilhões de jogadores fazendo os movimentos que bem entendem. Há punição por perder ou ganhar demais. Você não pode passar turnos e, se falar demais, não gostarão de você. Não há parâmetros nem como saber qual o gênero... Este mundo é um jogo ruim. NGNL - Episódio 1

 


 

Como se não bastasse, os grupos de jogadores que "se deram bem em alguma coisa", por mais patética que seja a vitória que obtiveram, isso se realmente considerarmos como vitória sobre alguma coisa, num jogo em que não há objetivo, fazem o que podem para escravizar os mais fracos ou desatentos. E o que falar ainda dos grupos que incutem ideias devastadoras nos indivíduos, fazendo com que desacreditem completamente na possibilidade "de uma planície" em que seja possível viver com o mínimo de desgraça possível? Ou aqueles que insistem em reduzir o mundo aos seus umbigos, repetindo dia e noite, em voz alta, que "este vilarejo é tudo o que temos"? 
 
 
 
 
 
 
Geralmente, quando o herói é levado a um mundo que não é o seu, sequestrado por forças inimagináveis e refém de uma nova realidade que se lhe apresenta, procura dar o melhor de si mesmo para retornar, mas por que o Kuuhaku iria querer retornar para sua própria realidade louca e desvairada? O mundo de Tet é a realização máxima de seus sonhos, viver pelos jogos, onde a lei do mundo é definida numa partida, e os destinos se dão a medida em que vitórias e derrotas tomam seu lugar. Mais ainda, num mundo onde até mesmo deus pode ser desafiado, Kuuhaku encontrou seu santuário.
  
 
 
 
 
A quem nunca perde seus jogos e ainda atinge pontuações nunca antes conquistadas, mesmo permitindo que seus oponentes trapaceiem ou adquiram vantagem propositalmente, Kuuhaku é o ápice da vitória competitiva, o jogo já começou muito antes da declaração "Aschente" (jurado pelas regras), e sua vitória garantida ainda bem antes disso, e por mais que o oponente ainda pense em surpreender Kuuhaku, sua tentativa apenas fez parte de um plano magistralmente orquestrado entre uma dupla que se conecta de corpo e alma. 
 
  
 

 
 

Não foram dois jogadores que caíram do céu naquele dia em que o Rei de Elkia seria definido numa competição, foram os próprios deuses da humanidade, e sua estadia aqui representa simplesmente a retomada da santidade que lhes pertence, num jogo em que seres mortais mágicos e superiores vinham duelando por algum espaço, o jogo terminou no momento em que Tet, o deus do mundo dos jogos, tocou noutra dimensão com seu próprio poder e rompeu a barreira da própria existência de mundo e sua ordenação. 

 
 
 
 

Vitória pelo conhecimento humanamente possível de se obter é fatal para qualquer raça que atente o mesmo feito, magia não tem qualquer chance aqui, e enquanto a posição dessas raças é baseada na afinidade para com a magia, os jogos em si não foram, até aqui, sobre tal parâmetro ou paradigma, mas sim, na própria capacidade de se analisar o contexto, usar do conhecimento e realizar o movimento mais adequado que o levará a vitória. Neste ponto, a raça humana (Imanity) é a raça mais forte, e logo todo o ranqueamento será invertido inevitavelmente sobre vitória após vitória do fator que até a magia depende para ser aplicada: conhecimento. 

  

 

 

No Game No Life é uma produção magistral e você pode conferi-la por completo aqui, na Crunchyroll.


 


Datatsushi é redator da CrunchyNotícias para a Crunchyroll.pt e é apaixonado por anime, comida japonesa e cultura asiática. Acompanhe seu atual projeto no youtube Drag-On Dragoon 3 e seus outros vídeos. Você também pode segui-lo no Twitter @_datatsushi_

Outras Principais Notícias

0 Comentários
Seja o(a) primeiro(a) a comentar!
Ordenar por: