RESENHA: Overlord e a teatralidade de Ainz Ooal Gown

Apesar de internamente ser inseguro, o protagonista da série assume o papel de grande líder a fim de conquistar seus objetivos

 

Na grande biblioteca de animes de fantasia de isekai, o protagonista costuma manter sua personalidade de antes de ir parar em um novo mundo. Rimuru de That Time I Got Reincarnated as a Slime sempre foi um excelente administrador até em sua vida como assalariado, os caminhos da vida levaram Subaru de Re:ZERO -Starting Life in Another World- a ser cheio de si antes mesmo de ir parar em um mundo paralelo e, mesmo que o choque inicial tenha feito de Naofumi de The Rising of The Shield Hero alguém bem mais amargurado e que quase não confia em ninguém, ele nunca mascarou quem ele realmente era. Em um mundo paralelo, eles não precisaram fingir ser uma pessoa diferente. Afinal, em um local em que ninguém sabe sua história passada, elas não têm como ficar lhe julgando como alguém inapto socialmente, ou ainda de esquisito.

 

Apesar disso, o funcionário de escritório Suzuki Satoru não seguiu por esse caminho quando, ao ver os momentos finais do fechamento dos servidores de YGGDRASIL, seu DMMO-RPG favorito e onde ele dedicou boa parte do seu tempo, se percebe dentro de Momonga, o personagem que ele criou nesse jogo, com os NPCs de sua guilda transportado para um novo e desconhecido mundo. Mudando seu nome para Ainz Ooal Gown, ele assume uma persona muito mais intimidadora e de liderança, coisas que passam longe de sua personalidade verdadeira, com vários momentos é mostrado ao espectador o que realmente se passa na cabeça dele ao longo do anime de Overlord. O que poderia ser só um escapismo de sua vida medíocre no mundo real e abraçar o personagem de suas fantasias, na verdade se torna uma ferramenta muito efetiva para alcançar seus objetivos neste novo mundo.

 

Houve alguns motivos iniciais que fizeram ele manter esse papel de figura imponente, a começar pelos próprios NPCs da sua guilda que ganharam vida nessa transição inesperada. Todos eles referenciam ao Ainz como o Ser Supremo da Grande Tumba de Nazarick, sendo dotados de uma enorme admiração e adoração por ele, com um senso de lealdade tamanha que eles jamais questionariam nenhuma ordem sua, especialmente por ele ter sido o único dos Seres Supremos (ou seja, um dos jogadores responsáveis pela criação desses NPCs que agora vivem na Tumba) a ficar com eles nessa transição para este mundo misterioso. Talvez por receio de não quebrar o statuo quo ou a imagem que eles possuem dele, Ainz decide continuar se portando conforme eles o veem, pois isso evita questionamentos que não irão ajudar em nada na situação em que se encontram. Ele se mantém no papel impositivo e de conquistador enquanto busca resposta nessa nova realidade.

 

 

Apesar de mentalmente ele viver se colocando para baixo (afinal, ele era só mais um funcionário, nunca assumiu posições de liderança ou tinha pessoas que dependiam dele) e de se julgar mais burro do que os NPCs que servem a ele, a verdade é que Ainz interpreta o papel de governante poderoso de forma magistral. Suas ordens são proclamadas sem nenhum fio de dúvida, e sua presença sempre impõe respeito.

 

Há de se perguntar como alguém, que vive dizendo não passar de um mero funcionário em sua vida passada, possui o talento para interpretar um personagem desse calibre? Pessoalmente tenho uma teoria de que, dado o tempo que ele investiu jogando em YGGDRASIL, Ainz acabou incorporando muito bem o “role play”, a interpretação de seu personagem que é muito usada em RPGs mais tradicionais. Nos flashbacks de sua época como jogador iniciante, vemos Momonga se portando bem mais submisso em relação aos demais. Apesar disso, ele pode facilmente ter se inspirado em todos os feitos épicos que ele e seus amigos da Guilda fizeram no jogo, realizando missões, superando incursões difíceis e fazendo seu nome. O que começou como mera brincadeira, se tornou um instrumento extremamente útil.

 

 

Com o objetivo de encontrar outros jogadores, ele quer que seu nome seja conhecido no mundo todo. Isso o leva a traçar um plano bem elaborado em conjunto com seus súditos, envolvendo dominação mundial e jogar de ambos os lados. É aí que entra a figura do Lorde Monmon. Assumindo o papel de um cavaleiro negro portador de duas espadas enormes, Ainz pode acompanhar mais de perto como as pessoas vivem nesse novo mundo, suas estruturas organizacionais, economias, políticas, seus perigos e suas leis. Fora que, ao mesmo tempo em que cria uma imagem de um líder morto-vivo de poder avassalador, ele ganha fama como um aventureiro estoico do lado dos humanos. Isso lhe permite agir em duas frentes distintas, podendo criar narrativas e até manipular o curso de certas ações de pessoas influentes e de reinos inteiros. Impor suas vontades por meio do medo? Pode até ser possível com alguém poderoso como Ainz Ooal Gown, mas seria extremamente cansativo e sujeito a muitos contratempos e dores de cabeça. Agir com calma, saber quando guerrear e quando ser misericordioso, enquanto atua como um forte cavaleiro aparentemente humano em que as pessoas normais podem depositar suas esperanças, é a forma mais prática de ter todos e o mundo inteiro em suas mãos.

 

 

Interessante notar que para se chegar neste ponto, Ainz pena bastante, especialmente na primeira temporada em que ele ainda está se familiarizando com este mundo. Mesmo cheio de poder, Ainz comete erros que ele mesmo reconhece e procura pessoalmente resolvê-los. Tudo isso sem quase nunca perder sua compostura e o papel que está interpretando. Isso se dá em parte graças a uma habilidade passiva dele que impede que emoções muito fortes, sejam elas boas ou ruins, fujam do seu controle e que podem resultar em tomada de decisões passionais.

 

Manter as aparências é mais cansativo do que se pode imaginar

 

Essa impressionante interpretação de personas de Ainz se torna ainda mais verossímil graças ao excelente trabalho de voz feito tanto em japonês pelo seiyuu Satoshi Hino como pelo dublador em português Dláigelles Riba, que transitam magistralmente entre os pensamentos mais inseguros e medrosos, para o tom de voz grave e impositivo do morto-vivo mais poderoso que existe.

 

Não se engane pensando que o Ser Supremo esteja fingindo ser quem ele é. Essa teatralidade toda é em prol aos seus objetivos e ele jamais enganou seus súditos ou as pessoas em que ele confia. Ainz Ooal Gown é o tipo de soberano que tem humildade de reconhecer quando erra e de se colocar em risco para salvar um de seus súditos. Alguém de tamanha referência é merecedor das conquistas e de desafios futuros que estejam a sua altura.

 

 


 

Você pode ver toda a teatralidade de Ainz Ooal Gown como um Ser Supremo aqui na Crunchyroll.pt, que disponibiliza as três temporadas da adaptação em anime de Overlord, tanto na versão legendada como dublada em português brasileiro e que recentemente começou a transmitir a quarta temporada do anime!

 

Overlord

 

Sinopse:

 

Quando um MMORPG bastante popular anuncia que será desligado permanentemente, um jogador veterano se recusa a deslogar: Momonga. À medida que NPCs começam a desenvolver personalidades e mentes próprias, ele decide usar suas habilidades para se tornar o novo chefão do jogo.

 

 

 


Samir “Twero” Fraiha é redator de notícias da Crunchyroll.pt. Formado em Letras e em Artes Visuais, curte animes, mangás e games desde os 5 anos e é fã dos jogos da CyberConnect2. É bem ativo no Twitter como @Twero e também gosta de gravar e editar podcasts.

Marcadores
resenha, overlord
Outras Principais Notícias

2 Comentários
Ordenar por: