ESPECIAL: Recomendações das mulheres da Crunchyroll de animes e mangás criados por outras mulheres

Feliz Dia da Mulher!

 

No dia 8 de março, comemoramos o Dia Internacional da Mulher. E nós, da Crunchyroll, gostaríamos de desejar um feliz Dia da Mulher para todas as mulheres do mundo, e que o respeito e valorização estejam presentes em suas vidas todos os dias do ano. 

 

No mundo dos animes e mangás, temos inúmeras mulheres talentosíssimas ajudando trazer essas séries que tanto amamos à vida, seja trabalhando na produção de um anime na direção, trilha sonora ou dando voz aos nossos personagens favoritos. E também temos as incríveis mulheres que criam novos universos cheios elementos e coisas que amamos, escrevendo e ilustrando mangás. Para comemorar esse dia tão especial, decidimos convidar algumas das mulheres que trabalham aqui na Crunchyroll, que ajudam a empresa funcionar aqui no Brasil, para falar sobre alguns dos seus animes e mangás favoritos que foram criados por outras mulheres! 

 

Nana - Ai Yazawa

 

Nana foi um mangá josei escrito e ilustrado por Ai Yazawa, publicado entre 2000 e 2009 na revista Cookie, da Shueisha. O mangá contou com 21 volumes encadernados, que foram publicados no Brasil pela editora JBC. A série conta a história de duas personagens chamadas Nana: Osaki Nana - vocalista da banda de punk-rock "BLAST" e Komatsu Nana - uma aspirante a artista que se apaixona à primeira vista. De mudança para Tóquio, as duas Nanas se cruzam no caminho e acabam morando juntas no apartamento 707. Se passando nos anos 90, o mangá é muito atual em referências e na abordagem de assuntos típicos da vida adulta como as desventuras de morar sozinho, a dificuldade em seguir seus sonhos em contraste com a necessidade de uma "vida normal", amores, desafetos e também assuntos mais pesados como abuso de drogas, suicídio e sexo. Com muita sensibilidade na narrativa, acompanhamos duas garotas com grandes sonhos e muita bagagem para somar, foi um mangá que me fez repensar minha relação com amigas e em como não valorizamos símbolos tidos por "femininos" — tão bem representados pela Komatsu Nana. Às vezes, uma vida cheia de flores, paixões e a ideia de construir uma família não é vista como uma "vida de sucesso" porque consideramos o cuidado da casa, o sonho de um casamento e até mesmo uma gravidez como algo feminino e, por isso, "de menos valor". Por mais que lutemos todos os dias para desconstruir esses preconceitos, muito disso fica enraizado na nossa criação e quando me percebi gostando menos dessa Nana por ser "feminina demais" enquanto a outra Nana era descolada, decidida e forte por ser uma "roqueira boca-suja", foi um choque muito necessário para entender como me relaciono com a minha feminilidade em si! 
 

- Malu @malupki (Coordenadora de Mídias Sociais)

 

 

Showa Genroku Rakugo Shinju - Haruko Kumota

 

Escrito e ilustrado pela autora Haruko Kumota, Shouwa Genroku Rakugo Shinju foi publicado entre 2010 e 2016 na revista ITAN, da Kodansha. Contando com 10 volumes encadernados, o anime ganhou uma adaptação em anime em janeiro de 2016, com uma segunda temporada sendo lançada em janeiro do ano seguinte. Esse foi um dos animes que eu tive o incrível prazer de ter participado da equipe de localização — ele mostra a história de vida de diversas gerações de contadores de histórias. As duas temporadas (e o mangá) revelam uma história muito sensível, visualmente maravilhosa e com personagens femininas importantes e bem construídas. Vale muito a pena até para quem não está habituado a assistir animes!

 

- Priscila P. (Membro do time de localização)

 

Showa Genroku Rakugo Shinju é um mangá 10 volumes de Haruko Kumota, autora que foca principalmente em obras BL, e virou anime em 2016. Como o nome da obra indica, ela gira em torno de rakugo, uma arte japonesa de contar histórias, e segue a vida de um jovem aprendiz no rakugo. Nós acompanhamos a jornada desse aprendiz desde a infância e a adolescência até a sua morte como um dos maiores representantes do rakugo no Japão. No caminho, vemos o momento em que ele se descobre no rakugo e ganha a confiança que lhe faltava tanto na arte como na vida. 

 

- Aline K. (Membro do time de localização)
 

 

 

InuYasha - Rumiko Takahashi

 

O mangá é escrito ilustrado pela incrível e grande autora Rumiko Takahashi (Ranma ½, Urusei Yatsura)! Publicado entre 1996 e 2008, com 56 volumes encadernados, InuYasha conecta passado e futuro de forma muito especial. A história é capaz de envolver emocionalmente o leitor/espectador com o drama das personagens, trama bem desenvolvida e doses certeiras de aventura, romance e humor. A conexão e a dualidade presentes nas interações das duas principais personagens femininas, Kagome e Kikyō, trazem lições importantes de empatia e compaixão. Acompanhar a maneira como a rivalidade entre elas é trabalhada e se desenvolve na série me fizeram, ainda na infância, passar por várias emoções e questionamentos bacanas, que sempre convergiram para admiração e respeito pela história de ambas. Qualquer julgamento ia, pouco a pouco, dando lugar a torcida por um final feliz tanto para Kagome quanto para Kikyō.

 

- Rita M. (Membro do time de localização)

 

 

given - Natsuki Kizu

 

Como grande fã de romances, não conseguiria não escolher given para esta lista. O mangá é escrito e ilustrado por Natsuki Kizu, e é publicado desde 2013 na revista Chéri+, da Shinshokan. A série conta a história do romance de Mafuyu, o garoto que se tornou apático pelos traumas que passou, com Uenoyama, o garoto um pouco irritadinho, mas que não resiste ao olhar de cachorrinho perdido de Mafuyu. A evolução das personagens, como Mafuyu aprendendo a lidar com seus sentimentos a ponto de saber expressá-los, e Uenoyama, que graças aos conselhos de seus amigos mais velhos soube dar o espaço que Mafuyu precisava ao mesmo tempo em que se manteve ao seu lado, sendo seu ombro amigo e seu senpai no mundo da música, ensinando até mesmo onde procurar e comprar seus aparelhos. O relacionamento dos dois se constrói de uma forma extremamente prazerosa de acompanhar: ver quando Uenoyama percebe que está gostando do garoto que furtou seu local de dormir na escola, a dedicação de Mafuyu em colocar em prática os ensinamentos de seu colega e os amigos de Uenoyama aceitando Mafuyu como parte do grupo sem uma “rivalidade” que muitas vezes é vista quando um estranho se torna amigo do seu amigo. Os companheiros de banda têm suas próprias histórias, que pouco são exploradas no anime, mas que ganham destaque no filme. Haruki e Akihiko têm um desenvolvimento um tanto mais conturbado que o de seus colegas de banda.

 

- Livs (Responsável pelo atendimento ao cliente)

 

 

Blue Exorcist - Kazue Kato

 

Pra quem está procurando por um anime shonen bem "feijão com arroz", ou seja, completinho e que nos deixa satisfeitos, fica a recomendação de Blue Exorcist. Escrito e ilustrado por Kazue Kato, publicado na revista Jump SQ., da Shueisha, a história gira em torno dos gêmeos Okumura: Rin e Yukio, que  após a morte de sua mãe, foram criados pelos membros de uma igreja. Com o tempo, suas personalidades foram ficando cada vez mais contrastantes sendo Rin um garoto enérgico e bagunceiro (mas muito sensível e afetuoso) e Yukio, o irmão "mais velho", responsável e sério. Seria só uma aventura entre irmãos gêmeos com um pézinho na rivalidade se não fosse um pequeno detalhe: os gêmeos são filhos de Satã e a igreja que os jurou proteger é um grupo de exorcistas que buscam manter o equilíbrio entre o mundo humano (Assiah) e o mundo dos demônios (Gehenna). Quando Rin passa a manifestar os poderes que herdou de seu pai, ele precisa aprender a lidar com sua maldição de forma que não machuque aqueles que ama, matriculando-se em uma escola para exorcistas onde poderá aprender mais sobre sua origem e os mistérios que o Céu e o Inferno escondem. Tanto o mangá quanto o anime tem um ritmo agradável e cenas de ação de tirar o fôlego, é impossível não ser cativado pela simpatia dos personagens - principalmente do Rin e o grupo de alunos da escola de exorcistas, recomendo para todos que procuram um bom anime de lutinha para passar a tarde! A primeira temporada de Blue Exorcist está disponível pela Netflix, enquanto sua continuação fica por conta da Crunchyroll. O mangá é publicado pela editora Panini!

 

- Malu @malupki (Coordenadora de Mídias Sociais)

 

 

Bloom Into You - Nio Nakatani

 

Quando falamos artistas mulheres, não podemos deixar de lado aquelas que produzem conteúdo para a comunidade LGBTQIA+. Assim, gostaria de aproveitar este espaço para comentar a respeito do meu mangá favorito, escrito por uma mulher. Escrito e ilustrado por Nio Nakatani, Bloom Into You é um mangá de romance GL que recomendo até para quem não é familiarizado a ler romance entre garotas. Nakatani, ao longo dos 8 volumes do mangá já finalizado, abre espaço para as três protagonistas desenvolverem seus anseios pessoais a respeito da sua própria identidade e paixão. Meu destaque aqui vai para Sayaka Saeki, uma das protagonistas da trama, que já durante sua adolescência estava ciente de ser homossexual, vivenciou um episódio de homofobia vindo de sua antiga amiga do ginásio. Eu poderia ficar horas falando a respeito desta obra maravilhosa e necessária no meio dos romances GL e de seus personagens principais e secundários são carismáticos e profundos, mas prefiro que quem estiver lendo dê uma chance para o anime ou para o mangá. Principalmente, neste Dia Internacional da Mulher, gostaria de agradecer à Nio Nakatani por ter criado esta obra que, hoje, considero indispensável para quem desejar ler o gênero. O mangá será publicado pela editora Panini em abril deste ano, e o anime está disponível pela plataforma HIDIVE.

 

- Mari @_nishimari (Membro do time de localização)

 

 

Queremos agradecer a todas nossas colegas que tiraram um tempinho do seu dia para falar sobre suas séries favoritas. heart

 

 

Outras notícias principais

25 comentários
Ordenar por:
Hime banner

Experimenta a nova Crunchyroll Beta

Quero experimentar